???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1954
Tipo do documento: Dissertação
Título: Sobreviventes de linfoma não Hodgkin: agrupamento de sintomas e qualidade de vida
Título(s) alternativo(s): Non-Hodgkin Lymphoma Survivors: Grouping of Symptoms and Quality of Life
Autor: OLIVEIRA, Mariany Melo 
Primeiro orientador: GARCIA, João Batista Santos
Primeiro membro da banca: MORAES, Érica Brandão de
Segundo membro da banca: SERRA, Jacira do Nascimento
Terceiro membro da banca: BEZERRA, Geusa Felipa de Barros
Resumo: Introdução: O aumento progressivo de sobreviventes de Linfoma não Hodgkin (LNH) e os níveis inferiores de qualidade de vida (QV) vêm sendo acompanhados da ocorrência agrupada de sintomas difíceis. Também, a categorização de sobreviventes, a partir de características semelhantes, vem sendo apresentada como estratégia no seu cuidado. Objetivo: Analisar QV e agrupamento de sintomas em sobreviventes de LNH. Materiais e Métodos: Estudo transversal, com amostra não-probabilística, de 79 pacientes/sobreviventes acompanhados em ambulatórios especializados de oncohematologia. Foram utilizados as escalas EORTCQLQC30 (QV), a Escala de Fadiga de Piper Revisada-EFPR (fadiga), o Termômetro de Distress – TD (distress), o Questionário Mini-Sleep-QMS (distúrbio do sono) e a Escala Visual Analógica-EVA (dor), além de dados socioeconômicos, comportamentais e clínicos. Resultados: Os sobreviventes tinham em média 57,24 anos (dp=5,10), 70,88% tinha 50 anos ou mais, 53,16% eram do sexo masculino, e 65,82% tinham bom nível na Escala de Funcionalidade de Karnofsky (KPS). O tempo médio de diagnóstico foi de 3,29 anos (dp=3,67), 36,70% estavam em sobrevivência aguda, seguidos de sobrevivência estendida (24,05%) e de longo prazo (19,00%). A média global de QV foi elevada (73,12±18,93). Poucos relataram fadiga (18,31%). Mais da metade tinha alguma alteração do sono e presença de dor, 56,05% e 56,96%, respectivamente. A prevalência de distress foi bastante elevada (81,69%). 62,02% da amostra apresentava algum agrupamento de sintomas, sendo os mais prevalentes: distress-dordistúrbio do sono (20,25%), distress-dor (11,39%) e distress-dor-distúrbio do sono-fadiga (11,39%). Categorias de sobrevivência com doença ativa tiveram pior medida global de QV (p=0,0073) e pior desempenho de papeis (p=0,0005). Houve associação significante entre QV e categorias de sobrevivência (p=0,0397), com médias maiores entre as categorias em remissão. Os escores globais da QV foram mais elevados nos grupos com distress (p=0,0129) e com dor (p=0,0331), com diferenças significantes. Não foi encontrada associação significante entre grupos de sintomas selcionados e QV global. Conclusão: A média de QV global foi elevada. As categorias de sobrevivência mais prevalentes foram a aguda, seguida da estendida e da de longo prazo. Foi observada associação entre QV e categorias de sobrevivência, tendo as categorias em remissão apresentado melhores níveis de QV global. Foram encontradas diferenças entre as médias de QV nos grupos com distress e com dor. Os agrupamentos de sintomas estiveram presentes em mais da metade dos sobreviventes, sendo distress-dordistúrbio do sono o mais frequente. Não houve associação entre os principais agrupamentos de sintomas e a QV.
Abstract: Introduction: The growing number of non-Hodgkin lymphoma (NHL) survivors and the lower quality of life (QoL) survivors have been accompanied by the clustering of difficult symptoms. Also, the categorization of survivors from similar characteristics, has been presented as a strategy in the care of this population. Objective: To analyze QoL and clustering of symptoms in NHL survivors. Methods: Cross-sectional study with a non-probabilistic, 79 patients / survivors followed up at a specialized oncohematology outpatient clinic. The EORTC-QLQC30 (QoL), the Revised Piper Fatigue Scale-RPFS (fatigue), the Distress Thermometer-DT (distress), the Mini-Sleep Questionnaire-MSQ (sleep disorders) and the Visual Analog ScaleVAS (pain), as well as socioeconomic, demographic and clinical data were used. Results: Survivors averaged 57,24 (SD = 5.10) years of age, 70.88% were 50 years old or older, 53,16% were males, and 65,82% had a good level of Karnofsky Performance Status Scale (KPS). The mean time since diagnosis was 3,29 years (SD = 3,67), 36,70% were in acute survival, followed by extended survival (24,05%) and long-term survival (19,00%). The overall mean QoL was high (73,12, SD=18,93). Few reported fatigue (18,31%). More than half reported some sleep disturbance and presence of pain, 56,05% and 56,96%, respectively. The prevalence of distress was quite high (81,69%). 62,02% of the sample reported some clustering of symptoms, the most prevalent: distress-pain-sleep disorder (20,25%), distress-pain (11,39%) e distress-pains-sleep disorder-fatigue (11,39%). Survival categories with active disease had worse overall QoL (p = 0.0073) and worse role performance (p = 0.0005). There was significant association between QoL and survival categories (p = 0.0397), with higher means among the categories in remission. Overall QoL scores were higher in the groups with distress (p = 0.0129) and pain (p = 0.0331). No significant association was found between the selected clusters of symptoms and global QoL. Conclusion: The means of QoL were high. The most prevalent survival categories were acute, followed by extended and long term. Association significant between QoL and survival categories was observed, and the categories in remission presented better overall QoL levels. Differences were found between the means of QoL in the distress and pain groups. Clusters of symptoms were present in more than half of the survivors. Distress-pain-sleep disorder was the most frequent. There was no association between the main clusters of symptoms and QoL.
Palavras-chave: Sobrevivência
Linfoma não Hodgkin
Qualidade de Vida
Fadiga
Estresse Psicológico
Distúrbios do Início e da Manutenção do Sono
Dor
Survival
Non-Hodgkin Lymphoma
Quality of Life
Fatigue
Psychological Stress
Sleep Initiation and Maintenance Disorders
Pain
Área(s) do CNPq: Ciências da Saúde
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA II/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA/CCBS
Citação: OLIVEIRA, Mariany Melo. Sobreviventes de linfoma não Hodgkin: agrupamento de sintomas e qualidade de vida. 2017. 125 f. Dissertação (Mestrado em Saúde do Adulto e da Criança) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1954
Data de defesa: 11-Apr-2017
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MarianyOliveira.pdfDissertação1,96 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.