???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3807
Tipo do documento: Tese
Título: Efeito do tempo de início e de exposição ao contato pele-a-pele sobre resultados Neonatais
Título(s) alternativo(s): Effect of onset and exposure time of skin-to-skin contact on Neonatal Outcomes
Autor: GOUDARD, Marivanda Julia Furtado 
Primeiro orientador: LAMY FILHO, Fernando
Primeiro coorientador: LAMY, Zeni Carvalho
Primeiro membro da banca: LAMY FILHO, Fernando
Segundo membro da banca: LAMY, Zeni Carvalho
Terceiro membro da banca: BUENO, Arnaldo Costa
Quarto membro da banca: GOMES , Maria Auxiliadora de Souza Mendes
Quinto membro da banca: ALMEIDA, Cecilia Claudia Costa Ribeiro de
Resumo: Recém-nascidos (RN) de baixo peso ao nascer estão associados a um alto risco de morbimortalidade no período neonatal. O contato pele-a-pele (CPP), uma importante diretriz do Método Canguru, tem se demonstrado efetivo em promover desfechos positivos nessa população, no entanto, o tempo de início e de exposição necessários para alcançar esses resultados ainda é carente de maiores investigações. Pretende-se investigar o papel do CPP na contribuição para se observar efeitos protetivos sobre o óbito e aleitamento materno exclusivo (AME) nessa população, dentro de unidades neonatais brasileiras, bem como observar como essa prática tem sido efetivamente realizada nesses serviços de saúde. Método: estudo multicêntrico de coorte prospectivo, sobre início e duração do CPP em RN com peso até 1.800 gramas, nascidos e internados em cinco centros de saúde brasileiros, no período de maio/2018 a março/2020. Foram excluídos óbitos na primeira semana de vida, RN com malformações, com asfixia perinatal ou qualquer outra condição que não permitisse a realização do CPP. O CPP foi registrado por meio de ficha individual, preenchida pela equipe de saúde e pela família do neonato enquanto da sua internação hospitalar. Dados maternos e dos RN foram obtidos através de questionários com as mães e pelos prontuários de ambos. Foi utilizado um método de aprendizado de máquina, a árvore de classificação (AC), para a análise dos dados. O algoritmo gerado por essa árvore identifica, por meio de testes estatísticos, qual conjunto de variáveis melhor explica o resultado proposto, bem como seleciona pontos de corte nas variáveis contínuas que permanecem associadas com o desfecho. Resultados: um total de 405 díades (mãe/filho) participaram do estudo. A mediana de idade gestacional e peso ao nascer dos RN foram de 31,4 (33,3 – 29,1) semanas e 1.369,7 (1.605– 1.164) gramas, respectivamente. A mediana de tempo para realizar o primeiro CPP foi de 5 (4-8) dias, para a duração do contato foi de 147 (106,7-263) minutos/dia, cerca de duas horas e meia, e a frequência de 1,5 (2.45 – 1.2) vezes por dia. As mães eram, em maior proporção, adultas jovens com 20-34 anos (63,5%), tinham companheiro (82,1%) e a via de parto realizada foi a cesárea (66,7%). Durante todo período da internação do RN, as mães realizaram CPP mais prolongado, mediana de 2.496 (6.557,5-1.172,5) minutos que os pais 35 (370 – 0) minutos. A taxa de óbito tardio (após 7 dias de vida) dos RN foi de 4%, sendo a mediana do escore de gravidade (SNAPPE-II) da admissão de 5(0-15) pontos. A taxa do AME à alta hospitalar foi de 61,6% (excluindo-se todos os óbitos). Após análise pela AC, nenhuma das variáveis maternas permaneceu associada aos desfechos em estudo. Com relação ao desfecho óbito, identificou-se associação significativa com a realização do primeiro CPP após 206h de vida (cerca de 8 dias) (p=0,02). Apesar de não se observar associação entre a duração do CPP/dia e o óbito (p=0,09), essa ocorrência foi menor no grupo que realizou maior tempo que 146,9 minutos/dia (3;1,5%) que no grupo que realizou por menor tempo (13;6,4%), ou seja, o número de óbitos foi 4 vezes maior em quem fez pouco tempo de CPP. Outras variáveis identificadas pela AC associadas a esse desfecho foram: presença de infecção precoce e tardia. Para o grupo que fez maior tempo de CPP e não teve infecção precoce, a probabilidade do óbito foi zero. Também teve probabilidade zero de óbito, o grupo que, mesmo tendo realizado menor tempo de CPP, não evoluiu com infecção tardia. Com relação ao desfecho AME, houve forte associação com a duração do CPP superior a 149,6 minutos/dia em pré-termo com peso ao nascer entre 1.125 gramas e 1.655 gramas (p<0,001), especialmente naqueles com escore de gravidade zero à admissão (83,6% de AME). No entanto, independente do escore SNAPPE-II, a variável CPP/dia surge no modelo explicativo da AC, juntamente com o peso ao nascer, como as de maior força de associação com o resultado do AME à alta hospitalar. Conclusão: Nas unidades avaliadas, o CPP é praticado como rotina de atendimento, de forma intermitente, em torno de uma vez e meia por dia, predominantemente pelas mães. Este estudo fortalece o papel do CPP em contribuir para resultados neonatais positivos, tornando-o relevante como boa prática de cuidado nas Unidades Neonatais. Recomenda-se que o primeiro CPP seja realizado de forma precoce, não ultrapassando o tempo de oito dias de vida do RN e um tempo diário maior que 146,9 min/dia, em conjunto com o controle de infecções precoces e tardias, para a proteção do óbito neonatal. Também é recomendado realizar o CPP em tempo maior que 149,6 min/dia para a promoção do AME à alta hospitalar.
Abstract: Low birth weight newborns are at great morbimortality risk in the neonatal period. Skin-to- skin contact (SSC), an important guideline of the Kangaroo Method, has shown itself effective in promoting positive outcomes in this population, however, the exposure time necessary to achieve these results still lacks further investigation. This paper aimed to investigate SSC use in Brazilian neonatal units and which protecting effects can be seen with this practice. Methods: prospective longitudinal study, regarding SSC duration time in newborns weighing less than 1800 grams, admitted in five Brazilian health centers, from May 2018 to March 2020. Deaths in the first week of life, children with malformations, with perinatal asphyxia or any other condition that did not allow the SSC to be performed were excluded. The SSC was recorded by means of an individual form filled out by the health team and the neonate’s family during their hospital stay. Maternal and newborn data were obtained through direct questionnaires with the mothers and the charts of both. A machine learning method, the classification tree (CT), was used for data analysis. The algorithm generated by this tree identifies, through statistical tests, which set of variables best explains the proposed result, as well as selecting cutoff points on continuous variables that remain associated with the outcome. Results: a total of 405 dyads (mother/child) participated in the study. The median gestational age and birth weight of the newborns were 31.4 (33.3 – 29.1) weeks and 1369.7 (1605– 1164) grams, respectively. The median time to perform the first SSC was 5 (4- 8) days, and the duration of contact was 147(106.7-263) minutes/day and the frequency of 1.5 (2.45 – 1.2) times a day. Most women were young adults aged 20-34 years (63.5%), had a partner (82.1%) and progressed to cesarean delivery (66.7%). During the entire period of the NB hospitalization, the mothers had a longer CPP, a median of 2496 minutes (6557-1172) than the fathers. The late death rate (after 7 days of life) of the NB was 4%, with the median of the admission severity score being 5(0-15). The EBF rate at hospital discharge was 61.6% (excluding all deaths). After analysis by the CT, none of the maternal variables remained associated with the outcomes under study. Regarding the outcome of death, a significant association was identified with the performance of the first SSC after 206h (p=0.02). Although there was no association between the duration of SSC/day and death (p=0.09), this occurrence was lower in the group that performed longer than 146.9 minutes/day (3;1.5%) than in the group that performed for a shorter time (13;6.4%), that is, the number of deaths was 4 times higher in those who had a short time of SSC. Other variables identified by the CT associated with this outcome were: presence of early and late infection. The group that had been on SSC longer and had no early infection, the probability of death was zero. There was also a zero probability of death, the group that, even with a shorter duration of SSC, did not develop late infection. Regarding the EBF outcome, there was a strong association with the duration of SSC greater than 149.6 minutes/day in newborns with birth weight between 1125 grams and 1655 grams (p<0.001), especially in those with a zero SNAPPE-II score at admission (83.6% of EBF). However, regardless of the SNAPPE-II score, the SSC/day variable appears in the explanatory model of CT, together with birth weight, as the strongest association with the EBF at hospital discharge. Conclusion: In the units evaluated, the SSC is practiced as a care routine, intermittently, around one and a half times a day, predominantly by mothers. This study strengthens the role of SSC in contributing to positive neonatal outcomes, making it relevant as a good care practice in Neonatal Units. It is recommended that the first SSC be performed early, not exceeding the NB eight days of life and a daily time greater than 146.9 min/day, together with the control of early and late infections, for protection from neonatal death. It is also recommended to perform the CPP in a time greater than 149.6 min/day to promote EBF at hospital discharge.
Palavras-chave: método canguru;
contato pele-a-pele;
recém-nascido de baixo peso;
prematuridade;
avaliação de resultados.
kangaroo-mother care method;
infant;
premature;
low birth weight infant;
outcomes assessment.
Área(s) do CNPq: Ciências da Saúde
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA III/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA/CCBS
Citação: GOUDARD, Marivanda Julia Furtado. Efeito do tempo de início e de exposição ao contato pele-a-pele sobre resultados Neonatais. 2021. 138 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2021.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3807
Data de defesa: 1-Oct-2021
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MARIVANDAJULIAFURTADOGOUDARD.pdfTese de Doutorado5,44 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.