???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3586
Tipo do documento: Dissertação
Título: LUTO PROLONGADO DE FAMILIARES E SUA INTERFACE COM OS CUIDADOS PALIATIVOS ONCOLÓGICOS.
Título(s) alternativo(s): PROLONGED GRIEF OF FAMILY AND ITS INTERFACE WITH ONCOLOGICAL PALLIATIVE CARE.
Autor: PEREIRA, Clarissa Pires 
Primeiro orientador: GARCIA, João Batista Santos
Primeiro membro da banca: GARCIA, João Batista Santos
Segundo membro da banca: FREGONESE, Adriana Aparecida
Terceiro membro da banca: SERRA, Jacira do Nacimento
Quarto membro da banca: HAICKEL, Rachel Vilela de Abreu
Resumo: Introdução: Há um considerável número de familiares enlutados que podem estar sujeitos a desenvolver luto prolongado e depressão. Os cuidados paliativos possuem extrema relevância para a prevenção do luto complicado, respeitando e considerando o papel fundamental da família no processo de adoecimento e do luto. São necessárias a intervenção prévia e a existência de diretrizes e serviços voltados ao suporte do luto do familiar. Objetivos: Avaliar o processo de luto em familiares de pacientes acompanhados em uma unidade de cuidado paliativo oncológico e investigar a prevalência de luto prolongado e fatores associados à ocorrência deste, a interface com a assistência dos cuidados paliativos e a interlocução entre luto prolongado e depressão. Método: O estudo foi analítico, observacional, transversal e com abordagem quantitativa dos dados. Participaram oitenta familiares/cuidadores, em um hospital de referência em oncologia. Foram aplicados: questionário sociodemográfico, questionário de acompanhamento pós-óbito, instrumento de avaliação do luto prolongado PG 13 e inventário de depressão de Beck (BDI). Para análise estatística, foram utilizados o teste Qui-Quadrado e o modelo de regressão logística com abordagem hierarquizada. Resultados e discussão: Dos 80 participantes, observou-se que 25% apresentaram critérios para luto prolongado e destes, 69,2% exibiram sintomas depressivos moderados a graves. A maioria dos acompanhantes com luto prolongado era do sexo feminino (27%), 27,5% filhos dos pacientes, 30,8% com idade entre 33 e 45 anos, 32% solteiros, 89,9% que ainda não conseguiram retomar suas atividades cotidianas e 88,9% que consideraram o apoio da equipe de cuidados paliativos como ruim. Os familiares que caracterizaram o suporte da equipe de cuidados paliativos como bom, apenas 33,4% apresentaram critérios para luto prolongado. Como fatores associados à ocorrência de luto prolongado, perder um ente querido do sexo feminino, há 16,47 vezes mais chances de o familiar desenvolver luto prolongado; o enlutado que pratica atividade física tem 7% a menos de chances de ter luto prolongado; receber um significativo apoio da equipe de cuidados paliativos ocasiona 13% menos chances de luto prolongado no acompanhante e quem tem luto prolongado apresenta 78,77% mais chances de enunciar depressão. Conclusões: É possível ocorrer luto prolongado e sintomas depressivos de níveis moderados a graves em familiares acompanhados em uma unidade de cuidados paliativos oncológico. Como fatores associados à ocorrência de luto prolongado verificou-se a perda de um ente querido do sexo feminino, o sujeito enlutado não realizar atividade física como forma de autocuidado, o apoio fornecido pela equipe de cuidados paliativos ao processo de luto do familiar, e a associação com sintomas depressivos. O transtorno de luto prolongado precedeu os sintomas depressivos moderados a graves.
Abstract: Introduction: There are a considerable number of bereaved family members who may be subject to prolonged grief and depression. Palliative care has extreme relevance for the prevention of complicated grief, respecting and considering the fundamental role of the family in the process of illness and grief. Prior intervention and the existence of guidelines and services aimed at supporting the grief of the family member are necessary. Objectives: To evaluate the grieving process in relatives of patients followed in an oncological palliative care unit and investigate the prevalence of prolonged mourning and factors associated with the occurrence of this, the interface with palliative care care and the interlocution between prolonged grief and depression. Method: The study was analytical, observational, cross-sectional and with quantitative approach to the data. Eighty family members/caregivers participated in a referral hospital in oncology. They were applied: socio-demographic questionnaire, postmortem follow-up questionnaire, PG 13 prolonged grief assessment instrument and Beck depression inventory (BDI). For statistical analysis, the Chi-Square and the logistic regression model with heirarchical approach were used. Results and discussion: Of the 80 participants, It was observed that 25% presented criteria for prolonged mourning and of these, 69.2% exhibited moderate to severe depressive symptoms. Most of the companions with prolonged mourning were female (27%), 27.5% were children of the patients, 30.8% aged between 33 and 45 years, 32% single, 89.9% who still could not resume their daily activities and 88.9% who considered the support of the palliative care team as poor. The family members who characterized the support of the palliative care team as good, only 33.4% presented criteria for prolonged mourning. As factors associated with the occurrence of prolonged grief, losing a female loved one, there is a 16.47 times more chance of the family member developing prolonged grief; the bereaved who practices physical activity is 7% less likely to have prolonged grief; receiving significant support from the palliative care team causes 13% less chance of prolonged mourning in the companion. and those with prolonged grief are 78.77% more likely to report depression. Conclusions: Prolonged mourning and depressive symptoms of moderate to severe levels may occur in family members followed up in an oncological palliative care unit. As factors associated with the occurrence of prolonged mourning, the loss of a female loved one was verified, the bereaved subject did not perform physical activity as a form of self-care, the support provided by the palliative care team to the family member's grieving process, and the association with depressive symptoms. Prolonged grief disorder preceded moderate to severe depressive symptoms.
Palavras-chave: cuidados paliativos;
cuidados paliativos oncológicos;
luto;
família;
cuidadores
palliative care; .
cancer palliative care;
bereavement;
family;
caregivers
Área(s) do CNPq: Cancerologia
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA II/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA/CCBS
Citação: PEREIRA, Clarissa Pires.Luto prolongado de familiares e sua interface com os cuidados paliativos oncológicos. 2021. 64 f. Dissertação( Programa de Pós-Graduação em Saúde do Adulto e da Criança/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2021.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3586
Data de defesa: 9-Apr-2021
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Clarissa P.F..pdfDissertação de Mestrado17,3 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.