???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3111
Tipo do documento: Dissertação
Título: Estudo do mecanismo de ação antinociceptivo da Persea americana Mill
Título(s) alternativo(s): Study of the antinociceptive mechanism of action of Persea americana Mill
Autor: CASTRO, Tázia Lopes de 
Primeiro orientador: CARTÁGENES, Maria do Socorro de Sousa
Primeiro coorientador: GARCIA, João Batista dos Santos
Primeiro membro da banca: CARTÁGENES, Maria do Socorro de Sousa
Segundo membro da banca: RODRIGUES, Thiago Alves
Terceiro membro da banca: BRITO, Haíssa Oliveira
Quarto membro da banca: ANDRADE, Marcelo Souza de
Resumo: Segundo a Associação Internacional para Estudos da Dor, a dor é definida como sendo “uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a um dano real ou potencial dos tecidos, ou descrita em termos de tais lesões” e busca-se, cada vez mais, alternativas terapêuticas para o seu manejo. Tendo em vista a quantidade de propriedades e constituintes presentes na Persea americana, essa se torna alvo de estudos experimentais com a finalidade de validar as informações acerca da espécie no seu uso popular, possuindo na literatura estudos que descrevem propriedades anti-inflamatória e analgésica do extrato aquoso de suas folhas. O objetivo do estudo foi investigar os possíveis mecanismos envolvidos na ação antinociceptiva da fração acetato de etila (F.PaAcet) e butanólica (F.PaBut) da espécie vegetal. Avaliou-se a participação da via opioide, L-arginina-óxido nítrico, α- adrenoreceptores e sistema muscarínico na atividade antinociceptiva e antiinflamatória das frações através do teste de nocicepção induzida por formalina e edema de pata por carragenina. As F.PaAcet e F.PaBut apresentaram ação antiinflamatória significante nas doses e concentrações testadas. No teste de formalina, ao avaliar a via opioide, apenas o grupo controle positivo (CP) apresentou uma diferença estatisticamente significante (p<0,05) no tempo de lambedura na fase inflamatória, quando comparado aos demais grupos. Na via L-NAME-Óxido Nítrico, o grupo CP e F.PaBut apresentaram uma diferença estatisticamente significante (p<0,05) no tempo de lambedura na fase inflamatória, quando comparado à aos demais grupos. Na via α-2 adrenérgica, a F.PaBut apresentou uma diferença estatisticamente significante (p<0,05) no tempo de lambedura na fase inflamatória, quando comparado aos demais grupos. No teste de edema de pata, a F.PaBut foi capaz de reduzir o edema nos tempos 60 e 120 minutos, ao avaliar a participação da via L-arginina-óxido nítrico e apenas no tempo 240 minutos ao avaliar a via alfa-2- adrenérigica. Já a F.PaAcet reduziu o edema desde o tempo 60 minutos até o final do teste, ao avaliar a participação da via L-arginina-óxido nítrico e apenas no tempo 240 minutos ao avaliar a via alfa-2-adrenérigica. Sugere-se que as frações tenham suas atividades associadas a modulação da liberação de NO, assim como a modulação da lliberação de noradrenalina dos terminais simpáticos na fase inflamatória do teste de nocicepção induzida por formalina e edema de pata induzido por carragenina, associado a inibição da liberação de mediadores inflamatórios, como histaminas, serotonina, bradicinina e prostaglandinas, indicando uma potencial utilização da espécie vegetal na elaboração de fármacos para tratamento de doenças inflamatórias
Abstract: According to the International Association for the Study of Pain, pain is defined as “an unpleasant sensory and emotional experience associated with real or potential tissue damage, or described in terms of such injuries” and therapeutic alternatives are increasingly sought for their management. In view of the amount of properties and constituents present in Persea americana Mill., it becomes the target of experimental studies in order to validate the information about the species in its popular use, having in the literature studies that describe anti-inflammatory and analgesic properties of the extract watery of its leaves. The aim of the study was to investigate the possible mechanisms involved in the antinociceptive action of the ethyl acetate (F.PaAcet) and butanolic (F.PaBut) fraction of the plant species. The participation of the opioid pathway, L-arginine-nitric oxide, α-adrenoreceptors and muscarinic system in the antinociceptive and anti-inflammatory activity of the fractions was evaluated through the formalin-induced nociception test and carrageenan paw edema. F.PaAcet and F.PaBut showed significant anti-inflammatory action in the tested doses and concentrations. In the formalin test, when evaluating the opioid pathway, only the positive control group (CP) showed a statistically significant difference (p <0.05) in the licking time in the inflammatory phase, when compared to the other groups. In the LNAME- Nitric Oxide pathway, the CP and F.PaBut group showed a statistically significant difference (p <0.05) in the licking time in the inflammatory phase, when compared to the others groups. In the α-2 adrenergic pathway, F.PaBut showed a statistically significant difference (p <0.05) in the licking time in the inflammatory phase, when compared to the other groups. In the paw edema test, F.PaBut was able to reduce the edema in 60 and 120 minutes, when evaluating the participation of the Larginine- nitric oxide pathway and only in 240 minutes when evaluating the a-2- adrenergic pathway. F.PaAcet reduced edema from 60 minutes until the end of the test, when evaluating the participation of the L-arginine-nitric oxide pathway and only in 240 minutes when evaluating the alpha-2-adrenergic pathway. It’s suggested that the fractions have their activities associated with the modulation of NO release, as well as the modulation of the release of noradrenaline from the sympathetic terminals in the inflammatory phase of the formalin-induced nociception test and carrageenan-induced paw edema, associated with inhibition of release of inflammatory mediators, such as histamines, serotonin, bradykinin and prostaglandins, indicating a potential use of the plant species in the preparation of drugs for the treatment of inflammatory diseases.
Palavras-chave: Persea americana
Mecanismo de ação
Dor
Inflamação
Persea americana
Mechanism of action
Pain
Inflammation
Área(s) do CNPq: Farmacologia Clínica
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA/CCBS
Citação: CASTRO, Tázia Lopes de. Estudo do mecanismo de ação antinociceptivo da Persea americana Mill. 2020. 60 f. Dissertação ( Programa de Pós-Graduação em Saúde do Adulto e da Criança/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2020.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3111
Data de defesa: 19-Feb-2020
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DO ADULTO

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TAZIACASTRO.pdfDissertação de Mestrado1,57 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.