???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3021
Tipo do documento: Tese
Título: Sonolência diurna excessiva, duracão do sono e permanência em dispositivos eletrônicos em adolescentes: análise de coorte de nascimento (RPS), São Luís-Ma, Brasil.
Título(s) alternativo(s): Excessive daytime sleepiness, sleep duration and permanence in electronic devices in adolescents: birth cohort analysis (RPS), São Luís-Ma, Brazil.
Autor: BARBOSA, Sara Machado Miranda Leal 
Primeiro orientador: BATISTA, Rosângela Fernandes Lucena
Primeiro coorientador: ECKELI, Alan Luiz
Primeiro membro da banca: BATISTA, Rosângela Fernandes Lucena
Segundo membro da banca: ECKELI, Alan Luiz
Terceiro membro da banca: FIGUERÊDO, Eduardo Durans
Quarto membro da banca: D'EÇA JUNIOR, Aurean
Quinto membro da banca: OLIVEIRA, Bruno Luciano Carneiro Alves de
Resumo: INTRODUÇÃO: A sonolência diurna excessiva (SDE) afeta até 40% das crianças e adolescentes. É caracterizada como sensação aumentada da necessidade de sono e diminuição do estado de alerta, e é um dos principais efeitos da duração reduzida de sono ou de sono de baixa qualidade. A puberdade é um período crítico para a transição da infância para idade adulta, associada a alterações na estrutura do sono em virtude disso, torna-se necessário estudar, nesse período, os fatores associados as causas da SDE e da duração do tempo de sono. OBJETIVOS: Estimar a prevalência e fatores associados à sonolência diurna excessiva (SDE) e avaliar se o maior tempo de permanência em dispositivos eletrônicos está associado com a duração de sono em adolescentes participantes da Coorte de Nascimento de São Luís (1997/1998), Brasil. MÉTODO: Estudo transversal, realizado com 2.505 adolescentes, com idade de 18 e 19 anos, que faz parte da terceira etapa de coletas da Coorte de nascimento, que está incluída na pesquisa “Determinantes ao longo do ciclo vital da obesidade, precursores de doenças crônicas, capital humano e saúde mental”. Para estimar a prevalência e fatores associados à SDE, utilizou-se modelagem hierarquizada e calculou-se a razão de prevalências utilizando regressão de Poisson com ajuste robusto da variância. Foram estudas características sociodemográficas do adolescente (sexo, cor da pele, classe econômica, religião, situação conjugal dos pais), hábitos de vida (lazer, tabagismo, consumo de álcool, uso de drogas ilícitas, consumo de cafeína, consumo de bebidas energéticas, prática de atividade física, adiposidade corporal, tempo de tela e depressão) e fatores relacionados ao sono (qualidade subjetiva do sono, latência do sono, duração do sono, eficiência do sono, distúrbios do sono, uso de medicação para dormir, disfunção durante o dia). Para avaliar a associação do tempo de permanência em objetos eletrônicos com a duração de sono, considerou-se como variável de exposição o maior tempo de uso de objetos eletrônicos (≥ 5 horas por dia) e como variável desfecho a duração do sono. Foi definido o modelo teórico com o auxílio de Gráfico Acíclico Direcionado e utilizou-se ajuste para as seguintes variáveis: sexo, idade, escolaridade, se trabalha ou estuda, situação conjugal e classe econômica, a partir da aplicação do critério da porta de trás. A associação entre maior tempo de tela e tempo de sono foi avaliada por meio de regressão linear com e sem ponderação pelo inverso da probabilidade de exposição, por meio de escore de propensão. RESULTADOS: A prevalência de SDE foi 36,8%. Sexo feminino (RP= 1,33; IC=1,19-1,49), alto risco para consumo de bebidas alcoólicas (RP=1,26; IC=1,09-1,46), episódio depressivo maior atual (RP=1,26; IC=1,08-1,46), escore de 10 a 18 de alterações do sono (RP= 1,43; IC=1,-1,85) e escore de 5 a 7 da disfunção durante o dia (RP= 2,51; IC=2,06-3,07) foram os fatores de risco para SDE. A classe econômica D/E foi fator de proteção para SDE (RP=0,47; 0,27-0,85).O percentual de tempo de tela maior que cinco horas foi de 65,9%, e em média os adolescentes dormiam 436,1 minutos por dia. Adolescentes que tinham tempo de tela maior que cinco horas por dia apresentaram 10,3 minutos a menos no tempo de sono (IC=-18,6;-1,9) na análise de regressão linear não ajustada, e 9,4 minutos a menos na análise de regressão linear ajustada (IC=-18,6;-1,9) e menos 9,5 minutos na análise ponderada pelo inverso da probabilidade de exposição (IC=-18,4;-0,6).CONCLUSÃO: Mais de um terço dos adolescentes apresentaram SDE e aqueles com maiores riscos precisam melhorar seus hábitos de vida e de sono para que não tenham mais SDE visando melhorar sua qualidade de vida e o maior tempo de uso de objetos eletrônicos associou-se ao menor tempo de sono entre os adolescentes avaliados. Dessa forma, os achados do presente estudo podem contribuir para elaboração de políticas relacionadas ao sono na adolescência.
Abstract: INTRODUCTION: Excessive daytime sleepiness (EDS) affects up to 40% of children and adolescents. EDS is characterized by increased sensation of sleep need and decreased alertness, and it is one of the main effects of reduced sleep duration or low-quality sleep. Puberty is a critical period for the transition from childhood to adulthood, affecting sleep. Therefore, it is necessary to study the factors associated with the causes of EDS and duration of sleep among adolescents. OBJECTIVES: To estimate the prevalence and factors associated with excessive daytime sleepiness (EDS) and to assess whether longer time spent on electronic objects is associated with sleep duration in adolescents from the São Luís Birth Cohort (1997/1998) in Brazil. METHOD: Cross-sectional study with 2,505 adolescents, aged 18 and 19, who are part of a third stage of birth cohort collection, which is included in the study “Determinants throughout the life cycle of obesity, precursors of chronic diseases, human capital and health mind.” To estimate the prevalence and factors associated with EDS, a hierarchical modeling was used and the prevalence ratio was calculated using Poisson regression with robust variance adjustment. The sociodemographic characteristics of the adolescent (gender, skin color, economic class, religion, parental marital status), lifestyle (leisure, smoking, alcohol consumption, illicit drug use, caffeine and energy drink consumption, physical activity, body adiposity, screen time and depression) and sleep-related factors (subjective sleep quality, sleep latency, sleep duration, sleep efficiency, sleep disorders, sleep medication use, dysfunction during the day). To assess the association between length of stay in electronic objects and sleep duration, the longest use of electronics (≥ 5 hours per day) and the outcome variable sleep duration were considered as exposure variables. The theoretical model was defined with the aid of Targeted Acyclic Graph and adjustment was used for the following variables: gender, age, education, whether working or studying, marital status and economic class, based on the application of the back-door criterion. The association between longer screen time and sleep time was evaluated by linear regression with and without weighting by the inverse of the probability of exposure by propensity score. RESULTS: The prevalence of EDS was 36.8%. Female gender (PR = 1.33; CI = 1.19-1.49), high risk for alcohol consumption (PR = 1.26; CI = 1.09-1.46), current major depressive episode ( PR = 1.26; CI = 1.08-1.46), sleep disorders with scores from 10 to 18 (PR = 1.43; CI = 1.85), and daily dysfunction with score 5 to 7 (PR = 2.51; CI = 2.06-3.07) were risk factors for EDS. Economic class D/E was a protective factor for EDS (PR = 0.47; 0.27-0.85). The percentage of screen time greater than five hours was 65.9%. On average, adolescents slept 436.1 minutes a day. Adolescents who had screen time greater than five hours a day had 10.3 minutes of less sleep time (CI = -18.6; -1.9) in the unadjusted linear regression analysis, 9.4 minutes in the adjusted linear regression analysis (CI = -18.6; -1.9), and less 9.5 minutes in the weighted analysis of the inverse exposure probability (CI = -18.4; -0.6). More than a third of adolescents have EDS. Those at higher risk need to improve their lifestyle and sleep so that they improve their quality of life and no longer have EDS. Longer use of electronics was associated with shorter time.of sleep among adolescents.
Palavras-chave: Sono
Adolescente
Tempo de tela
Saúde do adolescente
Sleep
Teen screen time
Sleepness
Adolescent health
Área(s) do CNPq: Saúde Publica
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA/CCBS
Citação: BARBOSA, Sara Machado Miranda Leal. Sonolência diurna excessiva, duracão do sono e permanência em dispositivos eletrônicos em adolescentes: análise de coorte de nascimento (RPS), São Luís-Ma, Brasil. 2019. 170 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2019 .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3021
Data de defesa: 19-Dec-2019
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SaraBarbosa.pdfTese de Doutorado4 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.