???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2753
Tipo do documento: Tese
Título: ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DA TUBERCULOSE EM INDÍGENAS NO BRASIL.
Título(s) alternativo(s): SPACE-TEMPORAL ANALYSIS OF TUBERCULOSIS IN INDIGENOUS PEOPLE IN BRAZIL.
Autor: FERREIRA, Thaís Furtado 
Primeiro orientador: CALDAS, Arlene de Jesus Mendes
Primeiro coorientador: SANTOS, Alcione Miranda dos
Primeiro membro da banca: CALDAS, Arlene de Jesus Mendes
Segundo membro da banca: SANTOS, Alcione Miranda dos
Terceiro membro da banca: SILVA, Tereza Cristina
Quarto membro da banca: SANTOS NETO, Marcelino
Quinto membro da banca: BRANCO, Maria dos Remédios Freitas Carvalho
Resumo: INTRODUÇÃO: A Tuberculose (TB) é uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis e apesar de ser curável ainda se configura como um grave problema de saúde pública global. Nos indígenas, tem sido encontradas incidências de TB superiores que nas demais raça/cor. OBJETIVO: Analisar distribuição espaço-temporal dos casos de TB em indígenas no Brasil. MÉTODO: Trata-se de um estudo ecológico realizado com todos os casos novos de TB em indígenas notificados no período de 2011-2017 no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Programa Nacional de Controle da TB do Ministério da Saúde. Os dados foram coletados em janeiro de 2019. Para o estudo de análise temporal, as incidências foram calculadas para cada ano em três unidades de análise: o Brasil, as regiões e as Unidades Federativas (UF) sendo estas padronizadas pelo método direto segundo sexo e idade. Utilizou-se o modelo de regressão linear generalizada de Prais-Winsten que permitiu avaliar as variações como crescentes, decrescentes ou estáveis, a partir da análise da medida de crescimento e do nível de significância (p < 0,05). Para o estudo de análise espacial, utilizou-se como unidade de análise os municípios sendo calculadas as incidências brutas e em seguida as incidências ajustadas pelo método bayesiano empírico local. Para o cálculo considerou-se como numerador a média dos casos de TB em indígenas ocorridos no município e como denominador, a média da população indígena residente no respectivo município, multiplicado por 100 mil. Os Índices de Moran Global e Local foram calculados para observar a existência de autocorrelação espacial dos casos de TB e para delimitação de aglomerados de alto e baixo risco. As análises estatísticas foram realizadas nos software Stata® versão 14.0 e GeoDa versão 1.10. Todos os mapas foram construídos no software QGIS 3.6.2. RESULTADOS: Foram notificados 6.520 casos de TB em indígenas, destes 62,6% residiam na zona rural. A incidência média da TB em indígenas no Brasil foi de 109/100.000 habitantes. Na análise por regiões do país, as maiores incidências ocorreram nas regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste. Na análise por UF, as maiores incidências foram encontradas no Mato Grosso, São Paulo, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Acre, Maranhão, Pará e Rio de Janeiro. A tendência da doença nos indígenas foi estável tanto no país quanto na maioria das suas regiões e UF. A TB se distribuiu de forma heterogênea nos municípios brasileiros, sendo que esta distribuição não se deu de forma aleatória, com áreas de Alto Risco concentradas nas regiões Norte e Centro-Oeste do país e de Baixo Risco na maioria dos estados da região Nordeste e regiões Sudeste e Sul. CONCLUSÃO: A TB afeta desproporcionalmente os indígenas brasileiros e o presente estudo ao identificar regiões, UF e aglomerados de risco para a TB em indígenas no Brasil pode contribuir para a elaboração e fortalecimento de ações de controle mais específicas.
Abstract: INTRODUCTION: Tuberculosis (TB) is an infectious disease caused by Mycobacterium tuberculosis and although it is curable, it is still a serious global public health problem. Among the natives, higher incidences of TB have been found more than in another race/color. OBJECTIVE: To analyze the spatial-temporal distribution of TB cases among indigenous people in Brazil. METHOD: This is an ecological study carried out with all new cases of TB in indigenous people reported in the period 2011-2017 in the Notification Disease Information System (SINAN) of the National Program for TB Control of the Ministry of Health. Data were collected in January 2019. For the study of temporal analysis, the incidences were calculated for each year in three units of analysis: Brazil, the regions and the Federative Units (FU), these being standardized by the direct method according to sex and age. The Prais-Winsten generalized linear regression model was used to evaluate the growth, decreasing or stable variations from the analysis of the growth measure and the level of significance (p <0.05). For the study of spatial analysis, the municipalities were used as unit of analysis being calculated the gross incidence and then the incidences adjusted by the local empirical Bayesian method. For the calculation, the average number of TB cases in indigenous people occurred in the municipality and, as denominator, the average indigenous population living in the respective municipality, multiplied by 100,000. The Moran Global and Local Indices were calculated to observe the existence of spatial autocorrelation of TB cases and to delimit high and low risk clusters. Statistical analyzes were performed in Stata® software version 14.0 and GeoDa version 1.10. All maps were built in QGIS 3.6.2 software. RESULTS: A total of 6,520 cases of TB were reported in indigenous communities, which 62.6% lived in rural areas. The average incidence of TB in indigenous people in Brazil was 109 / 100,000. In the analysis by region of the country, the highest incidence occurred in the Midwest, North and Southeast regions. In the UF analysis, the highest incidences were found in Mato Grosso, São Paulo, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Acre, Maranhão, Pará and Rio de Janeiro. The trend of the disease in the natives was stable both in the country and in most of its regions and UF. TB was distributed in a heterogeneous way in the Brazilian municipalities, and this distribution did not happen randomly, with High Risk areas concentrated in the North and Central-West regions of the country and Low Risk in most states in the Northeast region and regions Southeast and South. CONCLUSION: TB disproportionately affects Brazilian natives and the present study, by identifying regions, UF and agglomerates at risk for TB in indigenous people in Brazil can contribute to the elaboration and strengthening of more specific control actions.
Palavras-chave: Tuberculose; Saúde de populações indígenas; Estudos de séries temporais; Análise espacial
Tuberculosis; Health of Indigenous Peoples; Time Series Studies; Spatial Analysis
Área(s) do CNPq: Epidemiologia.
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA/CCBS
Citação: FERREIRA, Thaís Furtado. Análise espaço-temporal da tuberculose em indígenas no BRASIL.. 2019. 117 folhas. Tese( Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2753
Data de defesa: 28-May-2019
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Thaís Furtado Ferreira.pdfTese de Doutorado.3,46 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.