???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2453
Tipo do documento: Tese
Título: VIOLÊNCIA CONTRA GESTANTES E DEPRESSÃO MATERNA: Estudo da Coorte Brisa.
Título(s) alternativo(s): Violence against pregnant women and maternal depression: study of the Brisa cohort.
Autor: RIBEIRO, Sabrina Varão Oliveira 
Primeiro orientador: BATISTA, Rosângela Fernandes Lucena
Primeiro coorientador: RIBEIRO, Marizélia Rodrigues Costa
Primeiro membro da banca: BATISTA, Rosângela Fernandes Lucena
Segundo membro da banca: RIBEIRO, Marizélia Rodrigues Costa
Terceiro membro da banca: SILVA, Flor de Maria Araújo Mendonça
Quarto membro da banca: SÁ, Lucas Guimarães Cardoso de
Quinto membro da banca: ALMEIDA, Cecília Cláudia Costa Ribeiro de
Resumo: O presente estudo teve dois objetivos: Analisar os efeitos da violência na gestação nos sintomas de depressão materna e avaliar a adequação da Escala de Edimburgo em mulheres após o puerpério. No primeiro artigo, foi realizado um estudo em uma coorte de pré-natal no município de São Luís (Brasil) com amostra de 1.139 mães. Violência psicológica e violência física contra gestantes foram medidas pelo instrumento World Health Organization Violence against woman. Sintomas de depressão na gestação foram medidos pela Escala de Depressão do Centro de Estudos Epidemiológicos (CES-D) e sintomas de depressão materna foram medidos pela Escala de Depressão materna de Edimburgo (EPDS). O modelo conceitual, por modelagem de equações estruturais, teve situação socioeconômica, suporte social, violência psicológica, física e depressão na gestação como determinantes de sintomas de depressão materna. No segundo artigo, foi realizado estudo em uma coorte de nascimento no município de São Luís (Brasil) com amostra de 3.194 mães. O instrumento utilizado para avaliar os sintomas de depressão materna foi a Escala de depressão pós-parto de Edimburgo. Os dados foram ponderados e após isso, foi realizada a Análise Fatorial Exploratória (AFE). Foram consideradas significativas as cargas fatoriais quando acima de 0,40. Foram calculados o índice de escalabilidade H de Loevinger e o critério de Mokken. Foi observado no primeiro artigo que sintomas de depressão materna foram relatados por gestantes que mais frequentemente sofreram violência psicológica (Coeficiente Padronizado, CP=0.256; pvalor, p<0.001), violência física (CP=0.221 p<0.001) e apresentavam sintomas de depressão na gestação (CP=0.322 p<0.001). Sintomas de depressão na gestação mediaram efeitos das violências física e psicológica na depressão materna. E no segundo artigo, foi observado que a AFE com duas dimensões apresentou o melhor ajuste (RMSEA=0,053; CFI=0,988; TLI= 0,979). O índice de escalabilidade H de Loevinguer não mostrou nenhum valor <0,3, não sugerindo a exclusão de nenhum item da Escala de Edimburgo. Gestantes submetidas à violência psicológica e física e que apresentaram sintomas de depressão na gestação relataram com mais frequência sintomas de depressão materna. O EPDS com dois fatores, nas diferentes versões propostas, se mostrou adequada para avaliação dos sintomas de depressão pós-parto em mulheres em São Luís - MA e os resultados ratificam a possibilidade de utilização em diversas culturas e períodos de vida.
Abstract: The present study had two objectives: to analyze the effects of gestational violence on the symptoms of maternal depression and to assess the adequacy of the Edinburgh Scale in post-puerperium women. In the first article, a study was carried out in a prenatal cohort in the city of São Luís (Brazil) with a sample of 1,139 mothers. Psychological violence and physical violence against pregnant women were measured by the World Health Organization Violence Against Woman instrument. Symptoms of gestational depression were measured by the Center for Epidemiological Studies Depression Scale (CES-D) and symptoms of maternal depression were measured by the Edinburgh Maternal Depression Scale (EPDS). The conceptual model, by modeling structural equations, had socioeconomic situation, social support, psychological violence, physical and depression in gestation as determinants of symptoms of maternal depression. In the second article, a study was carried out in a birth cohort in the city of São Luís (Brazil) with a sample of 3194 mothers. The instrument used to assess the symptoms of maternal depression was the Edinburgh Postpartum Depression Scale. The data were weighted and after that, the Exploratory Factor Analysis (AFE) was performed. Factorial loads were considered significant when above 0.40. The Loevinger H scalability index and the Mokken criterion were calculated. It was observed in the first article that symptoms of maternal depression were reported by pregnant women who suffered more psychologically (standardized coefficient, CP = 0.256, p <0.001), physical violence (CP = 0.221 p <0.001) and had symptoms of depression during pregnancy (CP = 0.322 p <0.001). Symptoms of gestational depression mediated the effects of physical and psychological violence on maternal depression. And in the second article, it was observed that the AFE with two dimensions presented the best fit (RMSEA = 0.053; CFI = 0.988; TLI = 0.979). The Loevinguer index of scalability H showed no value <0.3, not suggesting the exclusion of any item from the Edinburgh Scale. Pregnant women subjected to psychological and physical violence and who presented with symptoms of depression during pregnancy reported more often symptoms of maternal depression. The EPDS with two factors, in the different versions proposed, was adequate for evaluating the symptoms of postpartum depression in women in São Luís - MA and the results confirm the possibility of use in different cultures and life periods.
El presente estudio tenía dos objetivos: analizar los efectos de la violencia gestacional en los síntomas de la depresión materna y evaluar la idoneidad de la Escala de Edimburgo en mujeres post-puerperio. En el primer artículo, se realizó un estudio en una cohorte prenatal en la ciudad de São Luís (Brasil) con una muestra de 1,139 madres. La violencia psicológica y la violencia física contra las mujeres embarazadas se midieron con el instrumento de Violencia contra la mujer de la Organización Mundial de la Salud. Los síntomas de depresión gestacional se midieron con la Escala de Depresión del Centro de Estudios Epidemiológicos (CES-D) y los síntomas de depresión materna se midieron con la Escala de Depresión Materna de Edimburgo (EPDS). El modelo conceptual, mediante el modelo de ecuaciones estructurales, tuvo situación socioeconómica, apoyo social, violencia psicológica, física y depresión en la gestación como determinantes de los síntomas de la depresión materna. En el segundo artículo, se realizó un estudio en una cohorte de nacimiento en la ciudad de São Luís (Brasil) con una muestra de 3194 madres. El instrumento utilizado para evaluar los síntomas de la depresión materna fue la Escala de depresión posparto de Edimburgo. Los datos se ponderaron y, a continuación, se realizó el Análisis factorial exploratorio (AFE). Las cargas factoriales se consideraron significativas cuando estaban por encima de 0,40. Se calcularon el índice de escalabilidad Loevinger H y el criterio de Mokken. En el primer artículo se observó que los síntomas de depresión materna fueron reportados por mujeres embarazadas que sufrieron más psicológicamente (coeficiente estandarizado, CP = 0.256, p <0.001), violencia física (CP = 0.221 p <0.001) y síntomas de depresión durante embarazo (CP = 0.322 p <0.001). Los síntomas de la depresión gestacional mediaron los efectos de la violencia física y psicológica en la depresión materna. Y en el segundo artículo, se observó que el AFE con dos dimensiones presentó el mejor ajuste (RMSEA = 0.053; CFI = 0.988; TLI = 0.979). El índice de escalabilidad H de Loevinguer no mostró ningún valor <0,3, lo que no sugiere la exclusión de ningún elemento de la Escala de Edimburgo. Las mujeres embarazadas sometidas a violencia psicológica y física y que presentaron síntomas de depresión durante el embarazo informaron con más frecuencia síntomas de depresión materna. La EPDS con dos factores, en las diferentes versiones propuestas, fue adecuada para evaluar los síntomas de la depresión posparto en mujeres en São Luís - MA y los resultados confirman la posibilidad de uso en diferentes culturas y períodos de vida.
Palavras-chave: Violência contra a mulher; Gestação; Depressão; Validação; Análise Fatorial
Violence against women; Gestation; Depression; Validation; Factor analysis
Área(s) do CNPq: Saúde Coletiva.
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA/CCBS
Citação: RIBEIRO, Sabrina Varão Oliveira. Violência contra gestantes e depressão materna: estudo da coorte brisa.. 2018. 112 folhas. Tese( Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2453
Data de defesa: 15-May-2018
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Sabrina Varão.pdfTese de Doutorado.2,82 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.