???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1937
Tipo do documento: Tese
Título: Características e fatores associados ao gasto privado em saúde com crianças da coorte BRISA
Título(s) alternativo(s): Characteristics and factors associated with private health expenditure with children from the BRISA cohort
Autor: REIS, Regimarina Soares 
Primeiro orientador: ALVES, Maria Teresa Seabra Soares de Britto e
Primeiro membro da banca: PACHECO, Marcos Antônio Barbosa
Segundo membro da banca: SERRA, Humberto Oliveira
Terceiro membro da banca: ALMEIDA, Cecília Cláudia Costa Ribeiro de
Quarto membro da banca: CHAGAS, Deysianne Costa das
Resumo: O SUS ainda não consegue atender toda a população, o que é atribuído a desigualdades na qualidade da atenção e a restrições de acesso, além da estrutura de financiamento do gasto em saúde no país. No Brasil o gasto privado em saúde é maior do que o gasto público, divergindo de todos os sistemas de caráter universal no mundo. Os objetivos deste estudo foram comparar as características do gasto direto das famílias com saúde de crianças em São Luís/MA e Ribeirão Preto/SP, e analisar os fatores associados a esse gasto em crianças de 13 a 35 meses de vida em São Luís/MA. Elaborou-se dois artigos. O primeiro trata-se de estudo transversal utilizando dados da coorte BRISA em Ribeirão Preto (n=3015 crianças) e em São Luís (n=3247 crianças). Medicamentos, consultas e exames foram os componentes do gasto privado estudados. Analisou-se a magnitude (gasto alto/gasto baixo) e natureza do gasto (frequência das combinações de gasto com os três itens, e análise bivariada dos itens do gasto por nível de renda familiar e tipo de cobertura de serviço de saúde. Para comparar as cidades foram calculados os Intervalos de Confiança (95%). Em São Luís estimou-se frequência de 45,7% de gasto alto (IC95%: 43,9 – 47,4) e em Ribeirão Preto 13,8% (IC95%: 12,5 – 15,0). O gasto com medicamento é o mais prevalente nas duas cidades - São Luís, 94,2% (IC95%: IC95%: 93,4 – 95,0); e Ribeirão Preto 87,8% (IC95%: 86,7 – 89,1). A combinação mais frequente de componentes foi exame/medicamento (23,3%; IC95%: 21,8 – 24,2) em São Luís, e em Ribeirão Preto foi consulta/medicamento (11,7%; IC95%: 10,4 – 12,7). O gasto com medicamento predominou em todas as faixas de renda nas duas cidades. Dentre as crianças cobertas por plano de saúde, em São Luís 97,7% (IC95%: 96,5 – 98,6) referiram gasto com medicamento; 29,3% (IC95%: 26,3 – 32,5) com consulta; e 24,7% (IC95%: 21,9 – 27,7) com exames. Em Ribeirão Preto para os mesmos componentes verificou-se 94,6% (IC95%: 93,4 – 95,6), 16,1% (IC95%: 14,3 – 18,0) e 7,4% (IC95%: 6,2 – 8,8), respectivamente. Em São Luís, 95,2% (IC95%: 93,2 – 96,7) das crianças cobertas pela ESF demandaram das famílias gasto com medicamentos; 39,9% (IC95%: 36,0 – 43,8) com exames; e 27,5% (IC95%: 24,0 – 31,1) com consulta. Em Ribeirão Preto, esses percentuais foram de 84,7% (IC95%: 80,5 – 88,4), 6,1% (IC95%: 3,8 – 9,2) e 10,4% (IC95%: 7,4 – 14,2), respectivamente. No segundo artigo foi realizado estudo longitudinal utilizando dados da coorte BRISA com uma amostra final de 3247 crianças. Realizou-se regressão multivariada – modelo de Poisson, com inclusão das variáveis de modo hierarquizado, segundo o modelo teórico definido previamente. O desfecho foi a realização de gasto privado com medicamentos, consultas e exames, categorizado em gasto alto (com 2 ou 3 componentes) e gasto baixo (com 1 componente). Os fatores associados como risco ao gasto alto foram: maiores níveis de escolaridade da mãe (RP=1,67; IC95%: 1,34 – 2,07; e RP=1,52; IC95%: 1,13 – 2,02; p<0,001), não cobertura por plano privado (RP=1,49; IC95%: 1,23 – 1,81; e p=<0,001), realização do pré-natal em serviço particular (RP =1,47; IC 95%: 1,07 – 2.02; e p=0,01), crianças de mais de 24 meses (RP=1,33; IC95%: 1,06 – 1,68; e p=0,01), e estado de saúde da criança ruim/regular (RP=1,23; IC95%:1,03 – 1,48; e p=0,02). Tempo de aleitamento materno de 12 a 24 meses (RP=0,82; IC95%: 0,67 – 0,99; e p=0,04) associou-se de maneira protetora ao gasto alto. Demanda-se ampliar a oferta/acesso à assistência farmacêutica para crianças; avaliar o cuidado à criança na ESF; fomentar o aleitamento por mais de 12 meses; e compreender o papel dos planos de saúde no gasto privado e acesso à saúde.Os resultados demonstram diferenças significativas no gasto privado em saúde de crianças entre as cidades, sugerindo que em São Luís é menor o acesso a consultas e exames, podendo as famílias estarem mais sujeitas a riscos financeiros derivados desses gastos.
Abstract: The SUS is still unable to serve the entire population, which is attributed to inequalities in quality of care and access restrictions, in addition to the financing structure of in the country. In Brazil private spending on health is higher than public spending, diverging of all systems of universal character in the world. The objectives of this study were to compare the characteristics of direct spending of families with children's health in São Luís / MA and Ribeirão Black / SP, and to analyze the factors associated with this expenditure in children between 13 and 35 months São Luís / MA. Two articles were prepared. The first is a cross-sectional study using data from the BRISA cohort in Ribeirão Preto (n = 3015 children) and in São Luís (n = 3247 children). Medications, consultations and examinations were the components of private spending studied. The magnitude (high expenditure / low expenditure) and nature of expenditure (frequency of combinations of spending with the three items, and bivariate analysis of expenditure items by income level family and type of health service coverage. In order to compare the cities, the Confidence Intervals (95%). In São Luís it was estimated that 45.7% of high expenditure (95% CI: 43.9 - 47.4) and in Ribeirão Preto 13.8% (95% CI: 12.5 - 15.0). Spending on drug is the most prevalent in the two cities - São Luís, 94.2% (95% CI: 95% CI: 93.4% 95.0); and Ribeirão Preto 87.8% (95% CI: 86.7-89.1). The most frequent combination of components was examination / medication (23.3%; 95% CI: 21.8-24.2) in São Luís, and in Ribeirão Black was consultation / medication (11.7%; 95% CI: 10.4-12.7). Spending on medication predominated in all income brackets in the two cities. Among the children covered by the plan of health, in São Luís 97.7% (95% CI: 96.5 - 98.6) reported spending on medication; 29.3% (95% CI: 26.3 - 32.5) with consultation; and 24.7% (95% CI: 21.9 - 27.7) with exams. In Ribeirão Black for the same components was 94.6% (95% CI: 93.4-95.6), 16.1% (95% CI: 14.3-18.0) and 7.4% (95% CI: 6.2-8.8), respectively. In São Luís, 95.2% (95% CI: 93.2 - 96.7) of the children covered by the ESF demanded of families spent on medicines; 39.9% (95% CI: 36.0 - 43.8) with exams; and 27.5% (95% CI: 24.0 - 31.1) with consultation. In (95% CI: 80.5 - 88.4), 6.1% (95% CI: 3.8 - 9.2) and 10.4% (95% CI: 7.4 - 14.2), respectively. In the second article, a longitudinal using data from the BRISA cohort with a final sample of 3247 children. Multivariate regression was performed - Poisson model, with inclusion of the variables of mode hierarchical, according to the previously defined theoretical model. The outcome was the spending on medicines, consultations and examinations, categorized as high spending (with 2 or 3 components) and low expenditure (with 1 component). Factors associated with risk to expenditure high were: higher levels of mother's education (PR = 1.67, 95% CI: 1.34-2.07, and PR = 1.52; 95% IC: 1.13 - 2.02; p <0.001), not private coverage (PR = 1.49, 95% CI: 1.23 - 1.81; and p = 0.001), prenatal care in private service (PR = 1.47, 95% CI 1.07-2.02, and p = 0.01), children older than 24 months (RP = 1.33, 95% CI: 1.06 - 1.68, and p = 0.01), and poor / regular child health (PR = 1.23, 95% CI 1.03 - 1.48, and p = 0.02). Breastfeeding time maternal age from 12 to 24 months (RP = 0.82, 95% CI: 0.67 - 0.99, and p = 0.04). protective at high expense. It is demanded to increase the offer / access to pharmaceutical children; assess child care in the FHS; breastfeeding for more than 12 months; and understand the role of health plans in private spending and access to health. demonstrate significant differences in private spending on child health among cities, suggesting that in São Luís there is less access to consultations and examinations, and families may be more subject to financial risks derived from these expenses.
Palavras-chave: Financiamento da Saúde
Gastos em Saúde
Economia da Saúde
Saúde Pública
Área(s) do CNPq: Saúde Pública
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA II/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA/CCBS
Citação: REIS, Regimarina Soares. Características e fatores associados ao gasto privado em saúde com crianças da coorte BRISA. 2017. 120 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1937
Data de defesa: 23-Feb-2017
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RegimariaSoaresReis.pdfTese3,02 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.