???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/696
Tipo do documento: Dissertação
Título: Prevalência do antígeno de superfície do vírus da hepatite B, em municípios maranhenses
Título(s) alternativo(s): Antigen prevalence of Hepatitis B Virus Surface, in Maranhão municipalities
Autor: Silva, Camila Maria Pinheiro de Mello e 
Primeiro orientador: FONSECA, Lena Maria Barros
Resumo: A hepatite B é um grave problema de saúde pública, de curso na maioria dos casos assintomático, tornando seu diagnóstico muitas vezes tardio e prognóstico desfavorável aos portadores do Vírus da Hepatite B (VHB). Apresenta os mecanismos de transmissão associados às vias percutânea/parenteral, sexual, perinatal e intrafamiliar. Tem uma prevalência com ampla distribuição mundial e brasileira, sendo que, no Estado do Maranhão, ainda é subestimada, principalmente em municípios distantes da capital São Luís. Este estudo teve como objetivo investigar a prevalência do Antígeno de Superfície do Vírus da Hepatite B, nos municípios maranhenses de Urbano Santos e municípios da região do baixo Munim. Os dados foram extraídos do banco de dados da pesquisa Estudo das Hepatites B, C e D nos Munícipios de Urbano Santos e munícipios da Região do Baixo Munim, Maranhão, Brasil. Utilizou-se uma abordagem quantitativa, com delineamento epidemiológico transversal, realizado no período de março de 2012 a julho de 2015. Participaram do estudo 3860 pessoas com idade mínima de 1 ano, residindo nos municípios estudos há pelo menos 6 meses. Os resultados mostraram uma população na faixa etária de 20 a 39 anos (29,35%), média de idade de 28 anos, a maioria feminina (57,9%), solteiros (33,22%) com o ensino fundamental (60,40%), renda familiar de menos de 1 salário mínimo (53,68%), maioria de cor parda (64,69%) e morando na zona rural (63,32%). Detectou-se uma prevalência para o VHB de 3,26% (n=126), 39,7% (n=50) viviam no município de Humberto de Campos, 21,4% (n=27) em Urbano Santos, 19,8% (n=25) em Morros, 15,1% (n=19) em Icatu e 4% (n=5) em Axixá. Observou-se uma maior prevalência do HBsAg nas faixas etárias mais elevadas de 60-79, (7%); e dos 80-99 anos (8%); em relação ao gênero, apesar da população feminina ser maior, verificou-se uma maior frequência de infectados entre os participantes masculinos 1559 (66%). Com relação ao estado civil aqueles com relacionamento não estável (solteiros, divorciados ou viúvos) apresentaram maior prevalência (14,53%) que aqueles em relacionamento estável (casados ou união estável) (9,42%). Além disso, encontrou-se também, uma população que utiliza materiais pérfuro-cortantes, especialmente alicate 2067 (98,8%) e barbeador 2424 (62,80%), com uma prevalência de HBsAg de 59 (2,85%) e 95 (4%), respectivamente. Com uso irregular do preservativo nas relações sexuais 1591 (78,22%), destes 63 (3,95%) eram HBsAg positivo. O estudo evidenciou uma população com perfil socioeconômico precário; uma prevalência intermediária para o marcador sorológico HBsAg, diferindo dos resultados do Inquérito Nacional nas capitais brasileiras. Revelou também participantes com uso de materiais perfuro-cortantes e com baixa adesão ao uso do preservativo nas relações sexuais, sugerindo, ser este um dos fatores de maior risco para aquisição do HBsAg neste estudo, uma vez que a transmissão sexual é típica de regiões moderadamente endêmicas. Como contribuição, sugere-se a necessária implantação/implementação de estratégias de ação para prevenção e controle das hepatites virais, tais como o aconselhamento acerca das medidas de contenção, dentre elas a atividade sexual segura e o não compartilhamento de alicates e barbeadores, bem como a imunização para hepatite B.
Abstract: Hepatitis B is a serious public health problem, in course in most asymptomatic cases, making diagnosis often late and unfavorable prognosis to patients of Hepatitis B Virus (HBV). It presents the transmission mechanisms associated with percutaneous / parenteral, sexual, perinatal and intrafamily route. It shows a prevalence with a broad global and Brazilian distribution, and in the State of Maranhão, it is still underestimated, especially in remote municipalities of the capital, São Luis. This study aimed to investigate the prevalence of antigen of the Hepatitis B Virus Surface in Maranhão, in the municipalities of Urbano Santos and municipalities of the lower Munim region. The data were taken from the search database Study of Hepatitis B, C and D in the Municipalities of Urbano Santos and municipalities of the Lower Munim Region, Maranhão, Brazil. It was used a quantitative approach, cross-sectional epidemiological design, carried out from March 2012 to July 2015. The study included 3860 people aged at least one year, who lived in those cities for at least six months. The results showed a population aged 20-39 years (29.35%), average age 28, female majority (57.9%), single (33.22%) with primary education (60 40%), household income of less than one minimum salary (53.68%), most brown color (64.69%) and living in rural areas (63.32%). It was detected a prevalence for HBV 3.26% (n = 126), 39.7% (n = 50) lived in the city of Humberto de Campos, 21.4% (n = 27) in Urbano Santos, 19 8% (n = 25) in Hills, 15.1% (n = 19) Icatú and 4% (n = 5) Axixá. There was a higher prevalence of HBsAg in the higher age groups of 60-79, (7%); and 80-99 years (8%); regarding the gender, although the female population is bigger, there was a higher frequency of infected men between 1559 participants (66%). With regard to marital status those with no stable relationship (single, divorced or widowed) had the highest prevalence (14.53%) than those in stable relationships (married or common-law marriage) (9.42%). In addition, it was found also a population that uses needlestick materials, especially pliers 2067 (98.8%) and shaver in 2424 (62.80%), with a prevalence of HBsAg of 59 (2.85%) and 95 (4%), respectively. With irregular use of condoms during sexual intercourse, 1591 (78.22%) of these 63 (3.95%) were HBsAg positive. The study showed a population with poor socioeconomic profile; an intermediate prevalence for HBsAg serologic marker, differing from the results of the National Survey on Brazilian capital. It also revealed participants with use of sharps and low adherence to the use of condoms during sexual intercourse, suggesting that this is one of the biggest risk factors for acquisition of HBsAg in this study, since sexual transmission is typical from regions moderately endemic. As a contribution, it is suggested that the necessary deployment / implementation of action strategies for prevention and control of viral hepatitis, such as advice about containment measures, among them the safe sexual activity and the forbiddance of sharing pliers and razors, as well as immunization for hepatitis B.
Palavras-chave: Hepatite B
Fatores de risco
Transmissão
Prevalência
Hepatitis B
Risk factors
Transmission
Prevalence
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: Ciências da Saúde
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM/CCBS
Citação: SILVA, Camila Maria Pinheiro de Mello e. Antigen prevalence of Hepatitis B Virus Surface, in Maranhão municipalities. 2015. 102 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Enfermagem) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tedebc.ufma.br:8080/jspui/handle/tede/696
Data de defesa: 7-Jul-2015
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Files in This Item:
File SizeFormat 
DISSERTACAO CAMILA MARIA PINHEIRO DE MELLO E SILVA.pdf2,73 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.