???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2696
Tipo do documento: Tese
Título: Espiritualidade, religiosidade e morbidades em estudantes de medicina: estudo em duas universidades brasileiras
Título(s) alternativo(s): Spirituality, religiosity and morbidities in medical students: study in two Brazilian universities
Autor: NUNES, Joana Katya Veras Rodrigues Sampaio 
Primeiro orientador: FIGUEIREDO NETO, José Albuquerque de
Primeiro membro da banca: FIGUEIREDO NETO J, José Albuquerque de
Segundo membro da banca: BALDASSIN, Sergio Pedro
Terceiro membro da banca: GUERRA, Rosane Nassar Meireles
Quarto membro da banca: SARDINHA, Ana Helia de Lima
Quinto membro da banca: SERRA, Jacira do Nascimento
Resumo: Introdução: Mudanças na Religiosidade/Espiritualidade (R/E) entre estudantes de Medicina durante a graduação, e sua influência na saúde mental, são poucas avaliadas. Objetivo: Avaliar a influência da R/E, suas variações/relação com os níveis de depressão, ansiedade, bem-estar subjetivo durante a graduação em Medicina e seus determinantes. Materiais e Métodos: estudo transversal, analítico, comparativo, com estudantes de Medicina do 1° ao 6° ano, a partir de 18 anos. Foram utilizadas as variáveis: Dados sociodemográficos, Escala de Avaliação de Espiritualidade em Contextos de Saúde (EAECS), Escala de Bem-Estar Espiritual, Índice de Religiosidade de Duke, Escala de Bem-Estar Subjetivo, Inventário de Depressão de Beck II e Inventário de Ansiedade de Beck. Utilizou-se Qui-Quadrado, Correlação de Spearman, ANOVA ou Kruskal-Wallis e regressão linear multivariada para avaliar fatores associados aos desfechos. Resultados: 812 estudantes foram avaliados, prevalecendo: mulheres (60,5%), brancos (45,9%), solteiros (93,8%) e com ingestão de álcool (80,2%), igualmente distribuídos nos níveis: Básico (33,4%), Intermediário (33,3%) e Internato (33,3%). A frequência geral de sintomas moderada a grave de depressão e de ansiedade foram de 18,4% e 20,6%, respectivamente. Na escala Afetos Negativos houve maior frequência de estudantes com baixos escores (81,2%) e nas escalas Afetos Positivos e Satisfação de escores elevados (72,7% e 58,1%, respectivamente). Altos escores na escala Afetos Positivos, escores moderado a alto de Bem-Estar Existencial, contribuíram para a redução de chances de 50% a 80% de sintomas depressão entre os avaliados. Os sintomas de depressão foram diretamente proporcionais ao aumento do escore de Afetos Negativos, e inversamente aos escores de Bem-Estar Existencial e Bem-Estar Geral, como também, o aumento de sintomas da ansiedade foi diretamente correlacionado ao aumento do escore de Afetos Negativos. Na regressão logística, sintomas de ansiedade, escores altos de Afetos Negativos, sexo feminino predispuseram sintomas de depressão. Para a ansiedade, o ajuste demonstrou aumento do risco de sintomas para o escore alto de Afetos Negativos, sintomas de depressão, Religiosidade Intrínseca elevada e sexo feminino. Houve piora nas médias dos escores de R/E no 7º período, e uma piora nos escores de depressão, ansiedade e da EAECS, nos 7º e 12º períodos. Religiosidade Organizacional, Bem-Estar Religioso, crenças/otimismo /esperança, apresentaram um aumento β significativo (p < 0,05), para os períodos de formação e sexo feminino. Religiosidade Não Organizacional, Religiosidade Intrínseca, Bem-Estar Existencial e Bem-estar Geral, aumentaram de acordo com a idade e gênero. Sintomas de ansiedade foi a única variável com aumento do coeficiente de regressão β, para a variável gênero feminino (p < 0,05). Conclusão: Enfretamento negativo das dificuldades encontradas por estudantes de Medicina na graduação, R/E positiva reduzida, podem revelar risco para ansiedade, especialmente em estudantes do 7º e 12º períodos.
Abstract: Introduction: Changes in Religiousness / Spirituality (R/S) among undergraduate medical students and their influence on mental health, are poorly evaluated. Objec-tive: To evaluate the influence of R/S, its variations / relation with the levels of depres-sion, anxiety and subjective well-being during medical school and its determinants. Materials and Methods: Cross-sectional, analytical, comparative study with medical students from 1st to 6th year, aged 18 and over. The following variables were used: socio-demographic data, Scale for Assessment of Spirituality in Health Contexts (EAECS), Spiritual Well-Being Scale, Duke Religious Index (DUREL), Subjective Well-Being Scale (SWB), Beck Depression Inventory-II (BDI-II), and Beck Anxiety Inventory (BAI). Chi-Square, Spearman’s Rank Correlation, ANOVA or Kruskal-Wallis and mul-tivariate linear regression were used to evaluate factors associated with outcomes. Results: women prevailed (60.5%), white (45.9%), single students (93.8%), from cap-ital and metropolitan region (65.3%) and alcohol ingestion (80.2%) prevailed, equally distributed among levels: Basic (33.4%), Intermediate (33.3%) and Internship (33.3%). The frequency of depression (18.4%) and anxiety (20.6%), moderate to severe, were significant (p> 0.05). Among Negative Affects, there was a higher frequency of stu-dents with low scores (81.2%) and high scores of Positive Affects (72.7%) and Satis-faction (58.1%). High scores of positive Affects, moderate to high score of Existential Welfare, contributed to the reduction of odds from 50% to 80% of depression among those evaluated. Depression was directly proportional to the increase in Negative Af-fect scores, and inversely to the Existential Welfare and Overall Welfare scores, as well as the increase in anxiety symptoms was directly correlated with the increase in the score of Negative Affects. In logistic regression, anxiety symptoms, high scores of Negative Affects, female gender, predisposed the symptoms of depression. For anxiety, the adjustment showed an increased risk of symptoms for the high score of Neg-ative Affects, symptoms of depression, elevated Intrinsic Religiosity and female gen-der. There was a worsening in the mean R/S scores in the 7th semester, and a wors-ening in depression, anxiety and EAECS scores in the 7th and 12th semesters. Organ-izational Religiosity, Religious Well-Being, beliefs/ optimism/ hope, presented a significant β increase (p <0.05), for the semesters of formation and female gender. Non-Organizational Religiosity, Intrinsic Religiosity, Existential Welfare, and General Well-Being showed significant β (p <0.05) increase for age and gender. Symptoms of anxi-ety was the only variable with increased coefficient of regression β for the female gen-der variable (p <0.05). Conclusion: Negative coping of difficulties encountered by un-dergraduate medical students, reduced positive R/S, and may reveal anxiety risk, es-pecially in 7th and 12th semester students.
Palavras-chave: Religiosidade
Espiritualidade
Educação médica
Depressão
Ansiedade
Estudantes
Religiosity
Spirituality
Medical education
Depression.
Anxiety
Students
Área(s) do CNPq: Psiquiatria
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA II/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE/CCBS
Citação: NUNES, Joana Katya Veras Rodrigues Sampaio. Espiritualidade, religiosidade e morbidades em estudantes de medicina: estudo em duas universidades brasileiras. 2018. 148 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2696
Data de defesa: 13-Dec-2018
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JOANANUNES.pdfTese de Doutorado2,62 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.