???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2398
Tipo do documento: Dissertação
Título: Efeito protetor de Punica granatum L. (romã) em modelo murino de sepse letal induzida por ligadura e perfuração cecal
Título(s) alternativo(s): Protective effect of Punica granatum L. (pomegranate) on murine model of lethal sepsis induced by cecal ligation and perforation
Autor: TROVÃO, Liana de Oliveira 
Primeiro orientador: MACIEL, Márcia Cristina Gonçalves
Primeiro membro da banca: MACIEL, Márcia Cristina Gonçalves
Segundo membro da banca: SILVA, Andresa Aparecida Berretta e
Terceiro membro da banca: Dall’Agnol, Hivana Patrícia Melo Barbo
Quarto membro da banca: Pereira, Paulo Vítor Soeiro
Resumo: A sepse é definida como uma síndrome em que há o desequilíbrio entre as respostas anti e pró-inflamatórias levando a efeitos sistêmicos. Com o intuito de descobrir alternativas eficientes para conter este quadro, estudos com produtos naturais são cada vez mais presentes na literatura. Neste contexto, tem-se a espécie vegetal Punica granatum L. conhecida como romã e que apresenta ação anti-inflamatória, antimicrobiana e antioxidante. Dessa maneira, o objetivo deste trabalho foi avaliar o possível efeito anti-inflamatório que o Extrato Bruto de Punica granatum (EBPg) apresenta frente à sepse polimicrobiana letal induzida em camundongos. Para investigar o efeito do EBPg (5mg/Kg) foram utilizados 25 animais distribuídos em 5 grupos: CLP, ATB (tratado com Imipenem), CLP tratado 6 horas antes da indução de sepse, CLP tratado concomitante a sepse e CLP tratado 6 horas após a indução de sepse. A sobrevida desses animais foi acompanhada por 5 dias a cada 12h. Verificou-se que o extrato teve efeito terapêutico e que os animais com tratamento concomitante à indução de sepse tiveram aproximadamente 65% de sobrevida. Para avaliar os parâmetros celulares e imunológicos 15 animais foram distribuídos em 3 grupos: SHAM, CLP e CLP+EBPg. Após 12h da indução da sepse os animais foram eutanasiados. Inicialmente avaliou-se o percentual de leucócitos no sangue periférico, observando-se aumento no número de linfócitos e neutrófilos nos animais sépticos tratados, em relação aos animais não tratados. Avaliou-se o efeito do EBPg nos principais órgãos linfoides primários (medula) e secundários (linfonodo e baço) por meio de contagem total de células, bem como no foco infeccioso (peritônio) por meio de contagem total e diferencial e no pulmão, um dos principais órgãos acometidos na sepse, por meio de contagem diferencial de células do Lavado Bronco Alveolar (LBA). Observou-se que não houve diferença na quantidade de células presentes na medula, linfonodo e LBA entre os grupos tratado e não tratado. No entanto, houve menor quantidade de células no baço dos animais tratados quando comparados com animais não tratados e aumento de células na cavidade peritoneal. Dentre os tipos celulares encontrados no peritônio dos animais sépticos tratados ou não, os neutrófilos tiveram maior percentual. No entanto, o extrato promoveu o aumento tanto de macrófagos como de linfócitos no foco infeccioso. Com o intuito de investigar a eficiência das células em conter a proliferação de microrganismos no foco infeccioso avaliou-se a produção de peróxido de hidrogênio. O extrato promoveu a redução na MFI do grupo tratado e estimulado com PMA em relação ao grupo CLP e da porcentagem de H2O2 do grupo tratado em relação ao sham e ao CLP+EBPg, demonstrando que o EBPg mantém a produção de H2O2, porém não de maneira exacerbada. Para verificar quais os fenótipos celulares estavam presentes nos órgãos linfoides secundários (linfonodo e baço) e no foco infeccioso, realizou-se a técnica de imunofenotipagem. No linfonodo houve aumento do percentual de linfócitos e células dendríticas ativadas, e diminuição de linfócitos auxiliares ativados. No baço verificou-se aumento de aivação de células apresentadoras. Nas células do peritônio verificou-se aumento de linfócitos T helper ativados e diminuição de linfócitos T citotóxicos. Além disso, verificou-se as principais citocinas liberadas no soro dos animais. O EBPg promoveu o aumento da liberação de todas as citocinas dosadas (IL-6, IL- 10, MCP-1, INF-γ, TNF) com um destaque especial para a IL-10. Dessa forma, podemos inferir que o EBPg possui potencial imunomodulador, agindo no controle de parâmetros inflamatórios como aumento da liberação de citocina regulatória, ativação de células imunológicas envolvidas na atividade reguladora e apresentação de antígenos, controle da produção de peróxido de hidrogênio e controle indireto da infecção, através do recrutamento de células para o foco infeccioso. Sendo assim, ele se apresenta como uma importante alternativa terapêutica em casos de sepse.
Abstract: Sepsis is defined as a syndrome in which there is an imbalance between anti and proinflammatory responses leading to systemic effects. With the aim of discovering efficient alternatives to contain this picture, studies with natural products are increasingly present in the literature. In this context, we have the plant species Punica granatum L. known as pomegranate and that has anti-inflammatory, antimicrobial and antioxidant action. In this way, the objective of this work was to evaluate the possible anti-inflammatory effect that the Hidroaloolic Crude Extract of Punica granatum (HCEPg) presents against the lethal polymicrobial sepsis induced in mice. To investigate the effect of EBPg (5mg/kg), 25 animals were used in 5 groups: CLP, ATB (treated with Imipenem), CLP treated 6 hours before induction of sepsis, treated with concomitant sepsis and PLC treated 6 hours after the induction of sepsis. The survival of these animals was monitored for 5 days every 12 hours. It was verified that the extract had therapeutic effect and that the animals with treatment concomitant to the induction of sepsis had approximately 65% of survival. To evaluate the cellular and immunological parameters, 15 animals were distributed in 3 groups: SHAM, CLP and CLP+EBPg. After 12h of sepsis induction the animals were euthanized. The percentage of leukocytes in the peripheral blood was initially evaluated, with an increase in the number of lymphocytes and neutrophils in treated septic animals, compared to untreated animals. The effect of HCEPg on the major primary (bone marrow) and secondary lymphoid organs (lymph node and spleen) was evaluated by means of total cell count, as well as in the infectious (peritoneum) focus by means of total and differential count and in the lung, a of the main organs affected in sepsis, by means of differential counting of Broncho Alveolar Lavage (BAL) cells. It was observed that there was no difference in the amount of cells present in the bone marrow, lymph node and BAL between the treated and untreated groups. However, there were fewer cells in the spleens of treated animals compared to untreated animals and increased cells in the peritoneal cavity. Among the cell types found in the peritoneum of septic animals treated or not, neutrophils had a higher percentage. However, the extract promoted the increase of both macrophages and lymphocytes in the infectious focus. In order to investigate the efficiency of the cells in containing the proliferation of microorganisms in the infectious focus the production of hydrogen peroxide was evaluated. The extract promoted the reduction in MFI of the treated and stimulated group with PMA in relation to the CLP group and the percentage of H2O2 of the treated group in relation to sham and CLP+HCEPg, demonstrating that the HCEPg maintains H2O2 production, but not of exacerbated manner. To verify which cell phenotypes were present in the secondary lymphoid organs (lymph node and spleen) and the infectious focus, the immunophenotyping technique was performed. In the lymph node there was an increase in the percentage of activated lymphocytes and dendritic cells, and a decrease in activated lymphocytes activated. In the spleen there was an increase in the adduction of host cells. In cells of the peritoneum there was an increase in activated helper T lymphocytes and a decrease in cytotoxic T lymphocytes. In addition, the major cytokines released in the sera from the animals were found. HCEPg promoted increased clearance of all cytokines (IL-6, IL-10, MCP-1, INF-γ, TNF) with a special highlight for IL-10. Thus, we can infer that the HCEPg has immunomodulatory potential, acting in the control of inflammatory parameters such as increased release of regulatory cytokine, activation of immunological cells involved in regulatory activity and presentation of antigens, control of hydrogen peroxide production and indirect control of infection, by recruiting cells to the infectious focus. Thus, it presents itself as an important therapeutic alternative in cases of sepsis.
Palavras-chave: Inflamação. Romã. Infecção. Imunomodulação.
Inflammation. Pomegranate. Infection. Immunomodulation.
Área(s) do CNPq: Imunologia
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE/CCBS
Citação: TROVÃO, Liana de Oliveira. Efeito protetor de Punica granatum L. (romã) em modelo murino de sepse letal induzida por ligadura e perfuração cecal. 2018. 97f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2398
Data de defesa: 8-May-2018
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LianaTrovão.pdfDissertação de Mestrado221,98 kBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.