???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/1867
Tipo do documento: Tese
Título: Extrato padronizado de própolis EPP-AR® aumenta a sobrevida em camundongos imunossuprimidos com sepse induzida por Candida albicans
Título(s) alternativo(s): Standardized extract of EPP-AR® propolis increases survival in immunosuppressed mice with Candida albicans-induced sepsis
Autor: BRAGA, Thiare Silva Fortes 
Primeiro orientador: NASCIMENTO, Flávia Raquel Fernandes do
Primeiro coorientador: SILVA, Andressa Aparecida Berreta e
Resumo: A própolis produzida pelas abelhas Apis melífera é um material balsâmico resinoso, utilizado para a proteção da colmeia contra fungos, bactérias, vírus e insetos. Dentre as atividades antimicrobianas da própolis já comprovadas, destaca-se: a ação antifúngica observada em cepas de Candida albicans, fungo comensal do trato oro-gastrointestinal e da pele, associado a infecções oportunistas, locais ou sistêmicas, em especial, em pacientes imunossuprimidos. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do tratamento com Extrato Padronizado de Própolis (EPP-AF®) na infecção sistêmica ocasionada por C. albicans em camundongos imunossuprimidos. Inicialmente, os camundongos C57Bl/6 foram imunossuprimidos com dexametasona (3mg/kg) durante uma semana e, no oitavo dia foram infectados, por via intraperitoneal, com blastóporos de C. albicans (2x106). Após 24 horas da infecção, foi iniciado o tratamento diário dos animais com própolis nas doses de 10 e 100mg/Kg, durante 15 dias, por via intraperitoneal. A imunossupressão com dexametasona foi mantida ao longo de toda a análise. Ao final dos 15 dias, observou-se que todos os animais tratados com própolis na dose de 100mg/Kg, mantinham-se vivos, enquanto todos os animais dos demais grupos já haviam morrido. A partir daí, passou-se a investigar possíveis mecanismos imunológicos que explicassem esse efeito. Para isto, foi repetido o mesmo protocolo de imunossupressão e infecção descritos acima, entretanto, o tratamento foi realizado em uma única aplicação de própolis na dose de 100mg/Kg, 24 horas após a infecção e os ensaios foram realizados 24 horas após esse tratamento. O tratamento com própolis reduziu as unidades formadoras de colônia no peritônio e no baço. Além disso, a própolis reverteu a imunossupressão induzida pela dexametasona, aumentando o número de leucócitos circulantes, principalmente, neutrófilos, a proliferação de esplenócitos, o recrutamento de leucócitos ao sítio da infecção e aumento de linfócitos T CD4+. Em relação aos mediadores inflamatórios, foi observado que o tratamento com própolis induziu o aumento da produção ex vivo de óxido nítrico por células peritoneais e a diminuição das citocinas inflamatórias (IL-6 e TNF-α) plasmáticas. Finalmente, em experimento in vitro, macrófagos peritoneais foram tratados com dexametasona (4µg/mL), por 48 horas, e, em seguida, tratados com própolis (100µg/mL), durante 12 horas. Ao final, as células foram incubadas com C. albicans por 1 hora. Neste ensaio, foi observado que a própolis aumentou a fagocitose, sem, no entanto, alterar a expressão proteica de Dectina-1 e Receptor de manose. Em conclusão, o extrato padronizado de própolis aumentou a expectativa de vida e reduziu a disseminação de C. albicans em camundongos imunosuprimidos. Tais efeitos, provavelmente devem-se a sua capacidade de reverter a imunossupressão induzida pela dexametasona, recrutando e ativando células imunes inatas para o sítio da infecção, além de reduzir as citocinas inflamatórias séricas, diminuindo, assim, a progressão dos aspectos deletérios da candidemia sistêmica.
Abstract: Propolis produced by bees Apis mellifera is a resinous balsamic material used to protect the hive against fungi, bacteria, viruses and insects. Among the antimicrobial activities of propolis already proven, the antifungal action observed in strains of Candida albicans, commensal fungus of the oro-gastrointestinal tract and skin, associated with opportunistic infections, local or systemic, especially in immunosuppressed patients, are highlighted. The objective of this study was to evaluate the effect of treatment with standardized extract of propolis on systemic infection caused by C. albicans in immunosuppressed mice. Initially the C57Bl/ 6 mice were immunosuppressed with dexamethasone (3mg / kg) for one week and, on the eighth day, were infected intraperitoneally with C. albicans blastopores (2x106). After 24 hours of infection, the daily treatment of the animals with propolis at the doses of 10 and 100 mg/kg was initiated for 15 days intraperitoneally. Immunosuppression with dexamethasone was maintained for all the analysis. At the end of the 15 days, all the animals treated with propolis at the dose of 100 mg/kg were kept alive, while all the animals from the other groups had already died. From then on, it was possible to investigate possible immunological mechanisms to explain this effect. For this, the same protocol of immunosuppression and infection described above was repeated, however, the treatment was performed in a single application of propolis at a dose of 100 mg/kg, 24 hours after infection and the tests were performed 24 hours after this treatment. Treatment with propolis reduced the colony forming units in the peritoneum and spleen. In addition, propolis reversed dexamethasone-induced immunosuppression, increasing the number of circulating leukocytes, mainly neutrophils, proliferation of splenocytes, recruitment of leukocytes to the site of infection and increase of CD4+ T lymphocytes. Regarding the inflammatory mediators, it was observed that the treatment with propolis induced the increase of the ex vivo production of nitric oxide by peritoneal cells and the reduction of plasmatic inflammatory cytokines (IL-6 and TNF-α). Finally, in an in vitro experiment, peritoneal macrophages were treated with dexamethasone (4 μg/mL), for 48 hours, and then treated with propolis (100 μg/mL) for 12 hours. Then, cells were incubated with C. albicans for 1 hour. In this assay, it was observed that propolis increased phagocytosis, without, however, altering Dectin-1 and Mannose receptor expression. In conclusion, the standardized extract of propolis increased life expectancy and reduced C. albicans dissemination in immunosuppressed mice. Such effects are probably due to its ability to reverse dexamethasone-induced immunosuppression, recruit and activate effector immune cells to the site of infection, and reduce serum inflammatory cytokines, thereby reducing the progression of the deleterious aspects of systemic candidemia.
Palavras-chave: Própolis
Dexametasona
Candida albicans
Imunomodulação
Sepse
Dexamethasone
Immunomodulation
Sepsis
Propolis
Área(s) do CNPq: Ciências da Saúde
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Maranhão
Sigla da instituição: UFMA
Departamento: DEPARTAMENTO DE MEDICINA I/CCBS
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE/CCBS
Citação: BRAGA, Thiare Silva Fortes. Extrato padronizado de própolis EPP-AR® aumenta a sobrevida em camundongos imunossuprimidos com sepse induzida por Candida albicans. 2017. 101 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tedebc.ufma.br:8080/jspui/handle/tede/1867
Data de defesa: 8-May-2017
Appears in Collections:TESE DE DOUTORADO - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ThiareBraga.pdfTese2,52 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.